Lançada edição 24 da Revista Espírito Livre

Neste mês de março, a Revista Espírito Livre fala de um assunto que para muitos é um bicho de 7 cabeças: Linguagens de Programação. Seja você desenvolvedor ou não, programar é um ato diário. Nossos familiares se programam para seus afazeres, seu filho se programa para passar no vestibular, você se programa para cumprir as suas obrigações. Programar-se é um ato cotidiano, e não exclusivo dos desenvolvedores de programas. Então porque inúmeras pessoas materializam na programação os “seus piores pesadelos”? Será algo realmente complexo? Será fácil até demais? A quem diga e até ignore tais dificuldades encontradas por várias pessoas nesse ramo da computação, que sempre carece de mão-de-obra qualificada para o mercado. Alunos de diversos cursos de computação encontram nesta parte da computação, grandes problemáticas, pois vários destes alunos sequer foram apresentados a noções de lógica, que é “o grande pilar” de qualquer processo de desenvolvimento. Quando este chega diante de uma linguagem de programação, sem a lógica necessária para escrever o código, começam a aparecer os problemas. Linguagens nada mais são que idiomas que tentam facilitar a comunicação entre homens e máquinas. E acredite, existem vários deles, dos mais simples aos mais complexos. Mas espere: simples pra quem? Para você ou para a máquina? Polêmicas a parte, as linguagens de programação são parte integrante de todo projeto de desenvolvimento de sistemas. Podem existir bons frameworks, boas IDEs, entretanto, sem uma boa linguagem de programação por trás disto tudo, de nada adianta.

 

Baixe o seu exemplar aqui

Login do usuário

Siga-nos

No Identi.ca

 

 

 

No Twitter